Direita e Esquerda – por Alceu Amoroso Lima

Este artigo foi escrito por Alceu Amoroso Lima em Outubro de 1960, nas vésperas das eleições presidenciais brasileiras, que tinham como candidatos: Teixeira Lott , Jânio Quadros e Adhemar de Barros. A análise de Alceu sobre o conceito de ‘direita’ e ‘esquerda’ é muito interessante, mostrando as mutações que estes enquadramentos ideológicos receberam durante os Século XIX e XX no Brasil e no mundo, e as diferentes formas de anacronismo e erros semânticos que foram dados a estas palavras em variados momentos. É vital destacar que estes constantes equívocos permanecem até hoje, em pleno século XXI, sendo difíceis de serem desfeitos. Certamente, conforme destacou Alceu: “pela simples razão de inércia e de rotina”.

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Alceu Amoroso Lima (1893-1983). - Pensador Católico, escritor e jornalista.

Alceu Amoroso Lima (1893-1983). – Pensador Católico, escritor e jornalista.

Durante a campanha eleitoral deste ano, voltou-se muito a falar em esquerda e direita. Para muitos, esquerda é sinônimo de comunismo. Direita, sinônimo de democracia. E, em certos meios católicos, a esquerda é o Anticristo e a direita, a Igreja ou pelo menos a posição político-social em que se encontra a Igreja.

Nada mais falso. Mas também nada mais difícil de esclarecer, já que as palavras sofreram realmente uma alteração semântica no sentido que o povo lhes dá, esse povo anônimo, que faz e desfaz linguagens.

A expressão esquerda-direita vem, como se sabe, do uso parlamentar latino: à direita se colocavam os conservadores; ao centro os liberais, à esquerda os socialistas. Daí, passou a palavra a significar a ideologia representada pela respectiva colocação dos parlamentares em suas bancadas. Houve, além disso,  uma alteração histórica no dispositivo parlamentar em leque, segundo o modelo francês ou americano e não paralelo, segundo o britânico ou canadense. Destacou se da direita a extrema-direita, reacionária, de tipo fascista. Como se destacou da esquerda a extrema-esquerda revolucionária, do tipo comunista. E assim que uma ou outra tomaram o poder de modo violento, cessou naturalmente o dispositivo pluralista e ficou apenas, em reuniões periódicas e sem importância, a unanimidade comunista ou fascista. A esquerda ia assim igualar-se a comunismo. A direita, a fascismo ou conservadorismo. E a opinião pública passou então a ligar uma coisa e outra.

Com os católicos se deu coisa semelhante. O socialismo, à esquerda dos parlamentos, foi a princípio, todo ele, anticatólico e, mais do que isso, anticlerical. O conservadorismo, à direita, se manteve ou se fez católico, por sinceridade ou por política. De modo que o termo socialista ficou sendo sinônimo de esquerdista e anticatólico.  E conservador, sinônimo de direitista e católico.

Mas tudo isso mudou radicalmente, ao longo do século XIX e, sobretudo, no século XX. Introduziram-se os maiores elementos de complexidade real e não apenas imaginária. O comunismo se destacou do socialismo. Este, por sua vez,  se desdobrou em várias correntes, mais próximas ou afastadas do comunismo.  O liberalismo se dividiu, pelo menos, em dois, mais conservador ou mais radical. E os conservadores, por sua vez, se mantiveram conservadores, republicanos ou monarquistas, e se separaram dos reacionários, à extrema-direita tão próximos por vezes da extrema-esquerda, pois os extremos quase sempre se tocam, especialmente em política.

As expressões esquerda, sinônimo de progresso e reforma social, e direita, sinônimo de ordem e tradição social, perderam com isso toda a sua exatidão. Mantiveram-se e continuam a ser empregadas por uma simples razão de inércia e rotina.

O mesmo aconteceu nos meios católicos. Com o interesse crescente da Igreja pela questão social, a partir do fim do século XIX e de Leão XIII, a equivalência entre catolicismo e conservadorismo, hostilidade ao progresso, defesa do status quo social, ordem e autoridade acima de tudo, sem distinção de como e porque , perdeu também toda significação autêntica. Passou a haver cada vez mais católicos não-conservadores em política. Como passou a haver  um número cada vez maior de conservadores não-católicos ou de radicais e socialistas, no sentido puramente político da expressão, de fé católica. Surgiu o termo trabalhismo, neutro.

Nesse terreno, também, a equiparação de esquerdismo com anticatolicismo e de direitismo com catolicismo se tornou anacrônica e semanticamente errada.

A primeira revelação que tive desse erro foi pela leitura, há trinta anos passados, de um admirável artigo do P. Congar O.P. ,Dieu est-il à Droit?, naquela famosa e tão saudosa revista dominicana francesa La Vie Intellectuelle. Deus não está à direita nem à esquerda. Esta acima. Domina a direita como a esquerda, enquanto estes termos ainda significarem alguma coisa, ao menos pelo uso e hábitos adquiridos. Há trinta anos que busco desfazer o equívoco. Em vão.

Nada mais difícil do que desenraizar tiriricas… Isto é a erva rasteira e vulgar, semelhante às palavras que vamos empregando sem pensar no seu sentido autêntico.

Há semanas atrás, durante a campanha eleitoral, eu tive escrúpulo até em publicar este artigo, pois já sei que iria, porventura, causar confusão, se lido, em algum eleitor apegado às fórmulas convencionais.  Mas agora passado o furação eleitoral, é hora de pensar de novo com calma e dar às palavras o sentido que realmente tem. A Igreja não está à direita. Como o comunismo ateu não está à esquerda. São incompatíveis. Mas estão por toda parte, face a face, lado a lado, lutando por bandeiras opostas, até que a Justiça e a Misericórdia de Deus tudo assuma.

Anúncios

Grandes Economistas II

John Maynard Keynes ( 1883-1946 )

keynes

Keynes contesta as hipóteses liberais  de que as forças de mercado conduzem ao equilíbrio econômico.

Segundo Keynes, as crises ocorrem quando o investimento na economia não é suficiente para garantir o pleno emprego da força de trabalho existente.

Para Keynes, a crise deve ser combatida com o aumento dos gastos públicos, com o objetivo de suprir a deficiência de demanda do setor privado, o que viria a diminuir o desemprego.

Na prática , sua política econômica persegue o pleno emprego por meio da criação de frentes de trabalho, mecanismos de controle de crédito, além da fixação de salários mínimos e limitação da jornada de trabalho. Além dele ser a favor da ampliação de modernos sistemas previdenciários.

—————————————————————————————————————————————————————————————————————

‘Cenário no qual as idéias de Keynes ganham importância’


A expansão do crédito bancário, a especulação financeira no EUA e a superprodução deflagraram uma grave crise econômica, que chegou ao auge com a quebra da Bolsa de Nova York. Mais de 9 mil bancos e 85 mil empresas decretaram falência e a cotação das ações caíram em média 85% entre 1929 e 1932.

A redução de salários chegou a 60% e o desemprego atingiu 13 milhões de norte-americanos. A crise ganhou dimensão mundial com a diminuição do crédito dos EUA a outros países e a elevação das tarifas alfandegárias dos norte-americanos, que provocaram retração no comércio internacional.

No auge da crise provocada pela quebra da Bolsa de Nova York, Franklin Roosevelt assumiu a presidência dos EUA e lançou o New Deal ( Novo Acordo ), programa de reformas econômicas e sociais. Influenciado pelas idéias de John Maynard Keynes, Franklin Roosevelt criou frentes de trabalho, mecanismos de controle de crédito e um banco para financiar as exportações.

Entre outras medidas, fixou salários mínimos, limitou a jornada de trabalho e ampliou o sistema de Previdência Social.

Em 1937, o número de desempregados nos EUA havia sido reduzido pela metade, e a renda nacional, crescido 70%.