Montoro, pedagogo da política – por Marco Antonio Villa

Franco Montoro

Franco Montoro

Amanhã, dia 16 de julho, completam-se 15 anos do falecimento de André Franco Montoro. Ele percorreu um caminho raro entre os políticos brasileiros: foi vereador, deputado estadual, deputado federal, senador, governador e ministro de Estado. Contudo nunca afastou o exercício da função pública da elaboração de ideias que tivessem aplicação prática na vida das pessoas. O fortalecimento da sociedade civil sempre foi uma preocupação central da sua ação, isso num país onde o papel do Estado foi superdimensionado, tanto pela direita como pela esquerda.

Montoro teve na democracia cristã do pós-guerra a sua matriz ideológica. E com base nesse pensamento agiu como um pedagogo da política, escrevendo, debatendo e formando militantes. Por onde passou foi deixando a sua marca. Nos dez meses em que esteve à frente do Ministério do Trabalho, durante o Gabinete Tancredo Neves, foi pioneiro no incentivo à sindicalização rural – tema, à época, explosivo – e criou o salário-família.

Na Câmara dos Deputados destacou-se na defesa dos trabalhadores e da democracia. Tanto que, após a extinção dos partidos políticos, em 1965, foi um dos primeiros a organizar o MDB. Cinco anos depois foi eleito senador, numa eleição marcada pelo medo, no auge do regime militar.

Nos anos de vida parlamentar foi um incansável propagador da integração econômica e cultural com a América Latina. De início foi voz solitária. Poucos se interessavam.Mas a pregação foi ganhando adeptos até ser incorporada à Constituição de 1988.

Assumiu o governo de São Paulo em março de 1983. O País estava em recessão – o produto interno bruto (PIB) caiu 2,9% – e com uma inflação anual de 211%.A economia estadual passava por uma profunda crise. O número de desempregados não parava de aumentar. E as finanças estaduais estavam em petição de miséria após o trágico quadriênio Maluf-Marin.

Organizou um secretariado de nível ministerial. Teve entre seus principais colaboradores (incluindo os bancos e empresas estatais paulistas) José Serra, João Sayad, Luiz Carlos Bresser-Pereira, Almino Affonso, Miguel Reale Júnior, Almir Pazzianotto, José Gregori, Paulo Renato e Paulo de Tarso, entre outros. Nomeou para a Prefeitura de São Paulo Mário Covas. Entendeu que na administração pública deviam ser escolhidos os melhores. E que o governador não devia temer a competência dos seus auxiliares, muito pelo contrário.

Pôs em prática os princípios defendidos desde os anos 1950. Fez da descentralização um dos carros-chefes do governo. Insistiu na tese de que o município é a base da democracia, da boa gestão e onde o cidadão vive. Fez o saneamento financeiro zerando o déficit orçamentário graças à austeridade nos gastos. Diversamente do governo anterior, deu à ética um papel central. Relacionou-se com a Assembleia Legislativa de forma republicana. Acentuou a necessidade da participação do cidadão nos negócios públicos. E foi o primeiro governador a ter preocupação (e ação) com o meio ambiente – basta recordar o tombamento da Jureia, onde Paulo Maluf queria construir duas usinas nucleares.

Conviveu com diversos movimentos grevistas. Reivindicações contidas à força pelos governos anteriores acabaram eclodindo. Soube buscar soluções harmoniosas em meio à tensão política. No tristemente célebre episódio da derrubada das grades do Palácio dos Bandeirantes agiu com moderação. Sabia que estavam em jogo a abertura democrática e o exercício da autoridade. Era uma provocação arquitetada pelos extremismos à direita e à esquerda. Tomou as decisões necessárias e saiu engrandecido.

A campanha das diretas teve início – efetivamente – no dia 25 de janeiro de 1984, no comício da Praça da Sé. Foi um ato de ousadia e coragem política. Poucos acreditaram no sucesso do comício. E a participação de 300 mil pessoas demonstrou a correta análise de conjuntura do governador Montoro. A partir daí, a campanha deslanchou. Foram realizados dezenas de atos por todo o Brasil. E em São Paulo, em 16 de abril, foi encerrada com o maior comício da História do Brasil.

A derrota da Emenda Dante de Oliveira não desanimou o governador. Tornava-se indispensável a união da oposição. Passou a articular uma frente de governadores. Era natural que fosse o candidato oposicionista no Colégio Eleitoral. Afinal, o PMDB de São Paulo tinha a maior bancada na Câmara dos Deputados, o presidente nacional do partido era paulista, governava o mais importante Estado da Federação e tinha sido eleito com mais que o dobro de votos do segundo colocado.

O interesse do País, porém, estava acima de qualquer veleidade pessoal. Montoro identificou no governador de Minas Gerais, Tancredo Neves, o nome ideal para unir a oposição e dividir o PDS, estimulando o surgimento de uma dissidência, essencial para obter a maioria no Colégio Eleitoral. E foi no Palácio dos Bandeirantes que Tancredo foi lançado candidato do PMDB à Presidência da República. Não deve ser esquecido que naquele momento, agosto de 1984, a sorte da sucessão presidencial não estava decidida. O País corria o sério risco de ter Paulo Maluf como presidente da República por seis anos e com poderes arbitrários garantidos pela desastrosa Emenda Constitucional n.º 1 de 1969.

Desiludido com os rumos do PMDB, foi fundador do PSDB, em 1988. Criou o símbolo do partido: o tucano. Foi um defensor do parlamentarismo. Mesmo adoentado continuou entusiasmado pela política. Morreu quando estava a caminho de um seminário no México.

O esquecimento de Franco Montoro é um ato perverso. Perverso para a jovem democracia brasileira, tão carente de exemplos que dignifiquem o compromisso com o interesse público. Perverso porque vivemos um momento em que abundam políticos profissionais e são cada vez mais raros os homens públicos.

Artigo publicado em o Estado de S. Paulo, 15 de julho de 2014

Anúncios

Alckmin mostra-se favorável a debate sobre possível fusão de PSDB-DEM-PPS

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), mostrou-se favorável ao debate para a fusão entre PSDB, DEM e PPS e destacou que este é um tema a ser discutido por essas legendas de oposição ao governo Dilma Rousseff. “Eu acho que é um tema a ser discutido”, disse, após participar nesta quinta-feira, 28, de evento de divulgação da campanha de vacinação 2011, na capital paulista. Apesar da garantia de que “vê com bons olhos” a proposta, o governador ponderou que isso não precisa ser feito agora. “Isso não tem pressa, não precisa ser feito agora. Enfim, é uma discussão partidária.”

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso admitiu nesta semana que existe a possibilidade de fusão entre PSDB e DEM, mas destacou que as conversas ainda são “preliminares”. O presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), também considerou a hipótese de junção das siglas, mas disse que as conversas ainda são informais.

Nesta semana, o governador paulista fez um alerta sobre o papel da oposição no Brasil e destacou que o País não é vocacionado para ter um partido único. Indagado sobre a crise que atinge seu partido em São Paulo, Alckmin tergiversou: “(O PSDB) não está em crise. É natural esse procedimento que ocorre. As pessoas têm liberdade (de sair da legenda).”

Alckmin também foi evasivo quando perguntado sobre o papel do vice-governador Guilherme Afif Domingos, que foi afastado da Secretaria de Desenvolvimento Econômico para o DEM ser acomodado no governo estadual. “O doutor Afif fez um bom trabalho na pasta e combinei com ele que teremos atribuições relevantes e importantes para nos ajudar no governo”, disse, sem informar quais seriam as novas funções de Afif.

O tucano evitou comentar as críticas feitas ao PSDB pelo ex-deputado estadual Ricardo Montoro. Em entrevista, o filho do ex-governador André Franco Montoro, um dos fundadores do PSDB, assumiu que cogita deixar a sigla e que teme pelo futuro da legenda. “Nenhum comentário”, respondeu de forma lacônica.

Ao lado do secretário da Saúde, Giovanni Cerri, o governador visitou hoje o Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia (IPGG), em São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo. A visita teve como objetivo divulgar a campanha de vacinação anual, que teve início na última segunda-feira.

Morre em São Paulo o ex-governador Orestes Quércia

Ex-governador de São Paulo morreu vítima de câncer na próstata.
‘Ele teve papel importante na redemocratização do país’, disse Alckmin.

Morreu na manhã desta sexta-feira (24) o ex-governador de São Paulo Orestes Quércia, aos 72 anos, informou a assessoria do hospital Sírio Libanês, onde ele estava internado para tratar de um câncer na próstata.

No início de setembro, ele teve diagnosticado um tumor de próstata que havia sido tratado há mais de dez anos. Dias depois, o peemedebista desistiu de sua candidatura ao Senado para tratar a doença.

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin, chegou por volta das 10h ao hospital após ser informado da morte de Quércia. “Visitei o Quércia há três dias no hospital, mas ele já não reconhecia as pessoas”, comentou Alckmin, que durante a campanha para as eleições de outubro teve a companhia de Quércia em vários compromissos eleitorais. Segundo a assessoria de imprensa do ex-governador, o estado de saúde de Quércia piorou muito na quarta-feira (21), e se agravou nesta madrugada.

O velório de Quércia será no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, em horário a ser divulgado. De acordo com a assessoria do ex-governador, o enterro será neste sábado (25) no Cemitério do Morumbi, na Zona Sul de São Paulo.

Trajetória política

Orestes Quércia nasceu em Pedregulho, no interior de São Paulo, em 18 de agosto de 1938. O empresário foi vereador, deputado estadual, senador, vice-governador e governador do Estado de São Paulo. Construiu a maior parte de sua trajetória política dentro do PMDB, algumas vezes em oposição aos rumos da direção nacional do partido.

Quércia viveu com a família parte da infância nas cidades de Franca e de Campinas. Foi em Campinas, quando ainda era adolescente, que deu os primeiros passos na política estudantil, envolvendo-se no grêmio da Escola Normal Livre. Nesse mesmo período, trabalhou como repórter do “Diário do Povo”.

Escolheu cursar direito na Faculdade de Direito da Universidade Católica de Campinas. Na faculdade coordenou o jornal do centro acadêmico. Trabalhou como locutor entre 1959 e 1963 nas rádios Cultura e Brasil, além de trabalhar no “Jornal de Campinas” e na sucursal do jornal “Última Hora”.

Começou na política em 1963, quando foi eleito vereador em Campinas pelo Partido Libertador. Filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB) após o Ato Institucional nº 2. Pelo MDB, em 1966, foi eleito deputado estadual. Voltou para Campinas em 1969 para assumir a prefeitura da cidade.

Nas décadas de 70 e 80, Quércia tornou-se um dos políticos mais influentes no estado conquistando apoio de políticos do interior. Em novembro de 1974, venceu a disputa ao Senado. Em setembro de 1979, apresentou proposta de emenda constitucional convocando uma assembleia nacional constituinte. Em Campinas, no mesmo ano, fundou o “Jornal Hoje”, publicação posteriormente incorporada ao “Diário do Povo”.

Já no PMDB, em 1982, foi eleito vice-governador na chapa de André Franco Montoro. Em novembro de 1986, derrotou Paulo Maluf na disputa pelo governo do estado. Após a série de vitórias nas urnas que teve seu ápice no governo do estado, o peemedebista não venceu nenhuma outra eleição. Concorreu à Presidência da República em 1994, mas ficou em quarto lugar. Em 1998, tentou voltar ao governo de São Paulo, mas recebeu apenas 4,3% dos votos válidos.

No governo paulista, Quércia investiu na reforma de estradas, construiu o Memorial da América Latina e criou a Secretaria do Menor. O político também atuou como empresário nos ramos imobiliário e de comunicação, além de investir no setor agropecuário. Após deixar o cargo de governador, Quércia foi presidente nacional do PMDB entre 1991 e 1993.

Em 2010, chegou a lançar candidatura ao Senado. Enquanto o seu partido articulou uma aliança para a eleição de Dilma Rousseff, Quércia e o PMDB paulista ratificaram o apoio já estabelecido ao PSDB, que lançou José Serra como candidato. Em setembro, o peemedebista anunciou, por meio de carta, a desistência da candidatura.

O motivo da desistência foi o diagnóstico do retorno de um tumor de próstata que havia sido tratado há mais de 10 anos. “Entendo que essa atitude, nesse momento, apesar de difícil, é a mais correta a bem dos interesses da Coligação, do meu Partido, do meu estado e meu interesse em recuperar minha saúde”, diz Quércia na carta. Após a o diagnóstico, Quércia começou o tratamento com sessões de quimioterapia e ficou internado 36 dias, entre agosto e outubro.

Políticos lamentaram a morte de Orestes Quércia nesta sexta-feira (24), em São Paulo. O ex-governador e ex-senador morreu no hospital Sírio Libanês para tratamento de um câncer na próstata. Veja as declarações abaixo:

Luiz Inácio Lula da Silva (presidente):“Recebo a notícia da morte do ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia, com pesar. Nem sempre estivemos do mesmo lado na política, mas Quércia sempre foi da ala dos desenvolvimentistas, que pensam o país para além de seu tempo. Sua eleição para o Senado em 1974 foi um marco na luta pelo restabelecimento da democracia. Nesse momento triste, presto minha solidariedade a sua família, seus amigos e correligionários”.

Dilma Rousseff (presidente eleita): “É com pesar que recebo a notícia da morte de Orestes Quércia. São Paulo e o Brasil vão se lembrar dele como um expoente da resistência democrática, um governador de muitas realizações e um defensor do desenvolvimento do país. Em todas as circunstâncias, foi um lutador.”

Geraldo Alckmin (governador eleito de São Paulo): “Lamento muito a morte do ex-governador Quércia. Nosso sentimento é de oração e de solidariedade com a família. Quércia foi uma pessoa de posição forte que teve papel importante na redemocratização do país. Ele foi um excelente companheiro, entusiasmado e muito presente durante a campanha “.

Gilberto Kassab (prefeito de São Paulo): “Orestes Quércia teve atuação marcante na política nacional. Como vereador, prefeito, deputado estadual, senador, governador e dirigente partidário, carregou as bandeiras do municipalismo e do desenvolvimento. Desejo paz para sua família neste momento difícil.”

Paulo Maluf (ex-governador e deputado federal eleito): “Tenho pelo governador Quércia o maior respeito pela obra que realizou no estado de São Paulo. Foi um municipalista, ajudou na base da economia, que é o município, fez muitas obras de vulto. É um exemplar filho, pai e marido. Deixa uma lacuna na vida pública paulista. Nosso relacionamento foi sempre muito respeitoso. Uma perda lamentável e deixa um vazio muito difícil de ser preenchido na política nacional. Nessa hora temos que rezar para que a família possa suportar a dor da perda.”

Senador Sérgio Guerra (presidente do PSDB): “Convivi pouco com Orestes Quércia, mas quando nos encontramos, nos últimos três anos, a impressão que fica dessa convivência é de um político afirmativo e que honrava a palavra.”

Senador Valdir Raupp (vice-presidente do PMDB): “Quércia ajudou muito o partido no momento que o PMDB cresceu. Ele foi prefeito de Campinas e governador de São Paulo em um grande momento do PMDB. Era para ele ter sido candidato à Presidência da República em 1989 e tinham pesquisas que indicavam ele na frente para a Presidência, mas o candidato foi outro e o Collor acabou eleito. O Quércia contribuiu muito com o partido, com o estado de São Paulo, fez um bom governo, e em nome do partido a gente lamenta seu falecimento”.

Senador Pedro Simon (PMDB-RS): “Estou muito abatido com a morte do Quércia. A gente sabia da situação dele e ele tomou uma atitude corajosa e aceitou concorrer ao Senado este ano, mas no meio da campanha teve uma crise e teve de se submeter a quimoterapia e renunciar a candidatura. Lamentavelmente a situação piorou e agora veio a falecer. É uma figura muito controvertida. Tínhamos muita divergência, mas há de se reconhecer seu papel importante no PMDB e na política brasileira. Lamento muito a morte dele e deixo um abraço para a esposa e os filhos. Discordei muito dele ao longo da vida, mas reconheço as coisas que ele fez, principalmente para o estado de São Paulo”.

Alda Marco Antônio (vice-prefeita de São Paulo): Quem o conheceu de perto sabe que o mundo perdeu um ser humano de grandes qualidades, um grande amigo e um grande político. Ele deixa uma lacuna em todos os que o conheceram.

Roberto Freire (presidente do PPS): “O PPS – Partido Popular Socialista – lamenta o falecimento do ex-governador Orestes Quércia e se solidariza com a família e amigos. Com sua morte, São Paulo e o Brasil perdem um político que foi fundamental na luta pela redemocratização. Eleito senador por São Paulo na histórica eleição de 1974, que marcou a ascenção da oposição democrática ao regime militar, juntou-se a outros expoentes do MDB para conquistar a democracia que as atuais gerações desfrutam.”