Pobre cidade rica – por José de Souza Martins

O antigo eixo das funções civilizatórias da capital se perdeu sem que um novo fosse definido, o que vem enriquecendo especulativamente e empobrecendo socialmente

José de Souza Martins  é sociólogo, professor emérito da Faculdade de Filosofia da USP, autor, entre outros de 'A sociologia como aventura' (Contexto).

José de Souza Martins é sociólogo, professor emérito da Faculdade de Filosofia da USP, autor, entre outros de ‘A sociologia como aventura’ (Contexto).

O caos que São Paulo aparenta nos dias de hoje não é tão caos assim. Apesar de ser hoje a cidade do desencontro, a própria negação do urbano, nos crescentes e amargos problemas sociais dos moradores de rua, das cracolândias, da violência, dos roubos e assaltos, das manifestações populares destrutivas e ineficazes. Nem a cidade foi sempre desse jeito. A cidade que hoje conhecemos substituiu outra, que começou a nascer aí por 1873, no começo do esplendor do café, uma nova e monumental cidade, coisa de gente grande e sábia. Eurípedes Simões de Paula, professor de História na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP, chamou aquele momento de “segunda fundação de São Paulo”. E o foi.

Por essa época, a velha cidade colonial de taipa começou a ser demolida. No chamado Triângulo, formado pelas atuais Ruas São Bento, Direita e Quinze de Novembro, no lugar de velhas casas de pau a pique foram edificados altos edifícios de pedra e concreto, ecléticos no estilo, no geral reproduzindo formas arquitetônicas europeias, mas nem por isso alheias a inspirações americanas. Como é o caso do Edifício Sampaio Moreira, de 1924, o primeiro arranha-céu de São Paulo, projeto do arquiteto Cristiano Stockler das Neves. Belo e refinado, ainda orna a Rua Líbero Badaró, sufocado pelas linhas retas de edifícios sem graça da pós-modernidade da terceira fundação de São Paulo, a dos anos 1960. Stockler das Neves projetou e construiu também a terceira, última e monumental Estação Sorocabana, na Praça Júlio Prestes, que hoje abriga a Sala São Paulo.

Esse período de pouco menos de um século foi o da São Paulo concebida como uma Paris tropical. É o período da criação de instituições públicas que revolucionariam nossa mentalidade caipira, as escolas superiores, os institutos de pesquisa, o Instituto de Educação, o Theatro Municipal, em 1911. Não só a cultura erudita nos vinha da Europa, mas uma cultura erudita nativa, nascendo em contraponto com os acordes da viola e as histórias de Pedro Malasartes no marco da Semana de Arte Moderna.

Esse período civilizador foi o único momento civilizado da história urbana de São Paulo, quando a cidade foi de fato cidade. Pouco tempo depois dos fulgurantes festejos comemorativos do quarto centenário de sua fundação, em 25 de janeiro de 1954, explodiu a especulação imobiliária que derrotaria a capital paulista. A pós-modernidade de São Paulo nascia presidida pela lógica do caos, do rentismo especulativo sobrepondo-se ao bem-estar de todos.

Até então, a cidade se desenvolvera. Desde então, a cidade apenas incha, derrotada nas insuficiências. Tudo aqui é insuficiente. Quanto mais metrô se faz, mais insuficiente o metrô fica. Quanto mais hospitais se constroem e se instalam, mais hospitais são necessários. Quanto mais escolas se tem, mais escolas se precisa e menos ensino se consegue. Estamos no reinado de Alice do outro lado do espelho: quanto mais andava, mais distante ficava. Chegamos, finalmente, à lógica dos avessos. Nem o povo é inocente nessa história. Uma cidade que reclama da falta de transporte e queima ônibus todos os dias é uma cidade louca. É melhor chamar o Alienista, de Machado de Assis.

Mas não é só São Paulo. Outras cidades brasileiras tiveram seu momento de esplendor e vivem hoje sua agonia. O caos do Rio de Janeiro, a cidade que já foi maravilhosa e que é hoje a cidade de maravilhas escassas. Até raio cai no Cristo Redentor. Há décadas que o transporte ferroviário em ruínas desafia a paciência dos cariocas, de gente sacrificada no vai e vem cotidiano para o ganho do mal contado pão nosso de cada dia. Os trens ruins e perigosos põem em risco a vida de seus passageiros todo o tempo, com episódios frequentes de terror nos desastres, nas panes, nos bloqueios.

Com muita facilidade e sem muito critério, se fala hoje em cidade e metrópole no Brasil para lamentar o que não temos e o que não somos. Amontoamento de prédios não faz uma cidade. Cidade é um modo de vida em que o redesenho e a racionalização do espaço deve tornar a vida mais fácil, mais simples. Deve agregar qualidade à existência, rapidez, conforto, bem-estar, alegria.

As populações de cidades como São Paulo ainda têm memória de quando chamavam a cidade de cidade e sabiam o que isso queria dizer. Ainda no início dos anos 1960, quando alguém ia da Mooca, do Brás, de Osasco, de Pinheiros, de Santo Amaro para o centro, ia à cidade. Ninguém se atrevia a ir à cidade em mangas de camisa, como se fosse para o trabalho. Homens, de terno e gravata, como se vê em numerosas fotografias da época, feitas na rua. Até os anos 1940, iam também de chapéu. As mulheres punham sua melhor roupa. Até as crianças eram vestidas com os trajes de domingo, trajes de ir à missa.

A cidade estava espacialmente distribuída e dividida em funções, de modo equilibrado. Esse equilíbrio se perdeu. Como dizia o caipira daqui, “cada quá com seu piquá”. Tratava-se de separações culturais e de origem. Cidade de imigrantes estrangeiros, sobretudo europeus, os de cada origem acabavam indo viver com os seus e mesmo os seus estavam divididos. Os italianos da Calábria, no Bexiga e em parte na Mooca; os napolitanos, na Mooca; os vênetos, em São Caetano e São Bernardo; os bareses, no Brás. No interior desses nichos de nacionalidade e de cultura havia uma estrutura de classes sociais. Cada um tinha sua burguesia, seu proletariado, sua classe média e seus próprios canais de ascensão social. É claro que havia, também, bairros pobres e bairros ricos, os bairros pobres junto às fábricas, uma anomalia no desenho urbano de São Paulo, o operário praticamente vivendo ao lado de fábricas poluentes e insalubres.

Ir à cidade era a recompensa do propriamente urbano. O centro da cidade é que desempenhava propriamente as funções urbanas, como centro da cultura, da administração pública e dos negócios. De modo que o urbano se realizava diferencialmente no espaço dividido. O centro tinha as funções propriamente monumentais da sociedade, as do poder e do espírito, as funções de superação do cotidiano e de sua rotina de repetições, de reprodução social. Não é estranho, pois, que os habitantes da cidade se referissem ao centro de modo solene.

A crise urbana paulistana começa com o populismo político que se seguiu à queda de Getúlio e ao fim da 2ª Guerra Mundial e se agrava a partir de 1988 com a transferência da periferia para ao centro, a pretexto de popularizá-lo. Daí resultou a periferização do centro, sem que tivesse havido propriamente melhoras na vida da população e melhoras na situação social dos bairros. O eixo das funções civilizatórias da cidade se perdeu, sem que um novo eixo se definisse. Sem que a cidade se reorganizasse em torno do que deveria ser, propriamente, a revolução urbana, a alteração das mediações espaciais para instituir e difundir um novo modo de vida, libertador e emancipador. A cidade vem se tornando especulativamente mais rica e socialmente mais pobre.