«LUNARIO NOVO» de 1582: A reforma gregoriana do calendário – por Moacir Pereira Alencar Junior

Com a bula Inter gravissimas de 24 de fevereiro de 1582, Gregório XIII bravamente promulgou a reforma do calendário em vigor na época, dando origem a muitas oposições no mundo devido à tradição religiosa ligada a uma cronologia até então largamente aprovada, mas também causando aprovações entre escolares e eruditos.

O calendário Juliano, nomeado e instituído por Júlio César em 46 aC, estruturou o ano em 365 dias e acrescentado um dia a cada 4 anos (ano bissexto), compensando a falta de equilíbrio de quase seis horas entre o calendário utilizado e o solar. A partir desse cálculo, o que parecia ser mais exato, o equinócio vernal foi criado para o dia 25 de março e o solstício de inverno para o dia 25 de dezembro. Com  o passar dos séculos, um erro de cálculo no calendário juliano foi detectado, a qual acrescentou-se um dia a cada 128 anos e, portanto, deslocou as datas de equinócio e de solstício. Desde que a Igreja determinou as festas móveis litúrgicas de acordo com a Páscoa, que foi por sua vez ligado ao equinócio de primavera, tornou-se urgente alterar este calendário. Entre as muitas tentativas de reforma, recordamos o apoio do Conselho de Trento, que teve  Gregório XIII como um dos idealizadores.

Segundo os estudos do médico e astrólogo da Calábria, Luigi Lilio, o papa estabeleceu o novo calendário , evitando os inconvenientes do então em vigor, mediante a abolição de 10 dias do mês de outubro: assim com o decreto papal , o mês de outubro em 1582 foi destituído dos dias 5 ao 14, inclusive, portanto, depois do quarto, o calendário foi diretamente ao dia 15. Além disso, o papa ordenou a divulgação do novo calendário em todo mundo,por meio de impressões, ameaçando punições severas para aqueles que divulgassem o calendário sem sua explícita autorização, para evitar erros prejudiciais.

O “Novo Lunario de acordo com a nova reforma” (foto acima) é definitivamente um dos primeiros exemplos de calendários impressos em Roma depois da reforma gregoriana, que agora esta confinado em um dos volumes dos diversos documentos sobre o Papa Boncompagni (Gregório XIII), escrito em 1627 por Giocanni Battista Confalonieri, funcionário do Arquivo do Castel Sant’Angelo. Na agenda, entre outras coisas, é importante observar os dias que faltam ( 5 à 14 de outubro ) e, a seguir, a permissão papal para imprimi-lo: Delli licentia Superiori Con …et permissu Ant (onii) Lilij.

Esta obra se encontra no Arquivo Secreto do Vaticano : ASV, A.A., Arm. I‑XVIII, 5506, f. 362r

Anúncios

“Carta de Otto I, quando coroado em 13 de fevereiro de 962 pelo então Papa João XII” – por Moacir Pereira Alencar Junior

Documento, comumente chamado «Privilegium Ottonianum», é um exemplo solene, contemporâneo a carta original (perdida), com a qual o Imperador Otto I, por ocasião da sua coroação (em 02 de fevereiro de 962 na Basílica de São Pedro, em Roma, pelo  Papa João XII),  confirma as doações feitas por Pepino e Carlos Magno (com um formulário que, segundo von Sickel, parece lembrar as concessões de  Leão III  à Carlos Magno) à Igreja Católica Romana e que também regulava os direitos imperiais sobre Roma e a eleição papal , de acordo com o Constitutio Romana de Lotário (ano 824):

Na base do «Privilegium», antes de ser consagrado , o Papa canonicamente eleito seria obrigado a prometer lealdade ao imperador e a jurar não permitir que seus representantes rompessem com a jurisdição imperial , como ficou expressamente mencionado em uma das passagens mais importantes do documento (a partir da linha 43):

Et ut ille qui ad hoc sanctum et apostolicum regimen eligitur nemine consentiente consecratus fiat pontifex priusquam talem in presentia missorum nostrorum vel filii nostri seu universae generalitatis faciat promissionem qualem domnus et venerandus spiritalis pater noster Leo sponte fecisse dinoscitur.

Este pergaminho pode ser encontrado no Arquivo Secreto do Vaticano :  ASV, A.A., Arm. I‑XVIII, 18

“Com o MOVIMENTO VIVA LICEU , o LICEU CORAÇÃO DE JESUS se FORTALECE”

Em 28 de outubro de 2009, escrevi aqui um artigo no qual destacava o papel do Liceu Coração de Jesus na minha trajetória de vida .

Para acessar ao artigo de outubro de 2009 clique neste link http://migre.me/3qS5R

De outubro de 2009 à Janeiro de 2011 , muitas conquistas foram obtidas, e por meio deste artigo buscarei destacá-las.

Uma Ação de Graças reuniu ex-alunos, estudantes, pais e familiares ligados ao Liceu Coração de Jesus no último sábado de novembro de 2010, em comemoração aos 125 anos da escola encravada nos Campos Elíseos, área central de São Paulo. Foi uma homenagem singular, pois a data festejou também um ano da intensa mobilização que a instituição e ex-alunos empreenderam em defesa do mais antigo colégio Salesiano do Estado de São Paulo, que chegou a ter três mil estudantes nos anos 60, concluiu 2010 com apenas 278 matriculados e tornou-se “refém” da debandada dos moradores e da degradação da região, colada na chamada “cracolândia”. O evento mostrou ainda que o pior já passou. O Liceu não fechará as portas, ao contrário dos temores que atingiram a comunidade escolar e deram o tom da cobertura da mídia no final de 2009.

Desde então, o cenário melhorou bastante. Suas calçadas não estão mais tomadas pelos usuários de crack, receberam iluminação e arborização, em uma verdadeira estratégia de “ocupação” sugerida por um especialista em segurança, levado à escola por ex-alunos. O orçamento foi equilibrado, parcerias estabelecidas e novos projetos e serviços engatilhados para 2011. “Houve um salto de conceito”, avalia o padre e diretor Benedito Nivaldo Spinosa, lembrando que isso de alguma maneira reavivou o espírito de professores, funcionários e alunos. Para quem circula em suas edificações em estilo predominantemente renascentista, a sensação que se respira é a do conforto proporcionado por uma escola de espaço privilegiado e bem cuidado, com jardins, amplas salas de aula, biblioteca, duas salas multimídia, salões de festas, cantina, refeitório, duas quadras externas e uma interna, laboratórios, o Museu de História e Ciências Naturais, a igreja (Santuário do Sagrado Coração de Jesus) e o Teatro Grande Otelo, com capacidade para 700 lugares.

O conjunto de 17 mil metros quadrados é tombado pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado) e ocupa o quarteirão formado pelas alamedas Dino Bueno, Glete, Barão de Piracicaba e Nothman. E para quem conversa com Benedito Spinosa, a sensação que se absorve é a da confiança no propósito de manter o Liceu vivo, revigorando a ocupação de seu espaço.

MOBILIZAÇÃO

Grandes aliados vieram também da imensa comunidade de ex-alunos, que hoje reúne 700 adesões na rede social do Orkut, mobiliza festas e jantares, rende artigos na internet, reportagens em programas de rádio e até mesmo documentários produzidos como trabalhos de conclusão de cursos de nível superior. Um grupo de pelo menos dez deles deu início ao Movimento Viva Liceu, capitaneado por Michel Porcino, jovem empresário da área de serviços graduado em Direito, que cursou ali o Fundamental II e o Ensino Médio, no período entre 1995 e 2001.

Na época, o número de estudantes já estava em declínio, por conta não apenas dos reflexos da região, mas da crise vivida pela maioria das escolas confessionais, da diminuição do número de filhos adolescentes entre as famílias de classe média e do aumento da concorrência na rede privada de ensino. Michel voltou a frequentar o Liceu no final de 2009, após tomar conhecimento, pela imprensa, da iminência de fechamento da escola. “Começamos a nos mobilizar de imediato”, relata o coordenador do Movimento, que ainda naquele ano criou o “Viva Liceu” (um dos motivos das comemorações da Ação de Graças de 27 de novembro passado) e conseguiu mobilizar um abraço dos ex-alunos em torno do colégio.

Em abril de 2010, houve a primeira grande festa, a qual acabou servindo como palco para o reencontro de um casal de ex-alunos, que resolveram celebrar o matrimônio (cerimônia religiosa e recepção) nas dependências do Liceu. A construção de um novo site, com apoio dos Salesianos do Santa Teresinha, colégio da zona Norte de São Paulo, foi outro fruto do movimento. Agora, Michel e sua colega Claudia Soares de Oliveira, ex-aluna e ex-professora, buscam parceiros que banquem o “Empreendedorismo na Terceira Idade”, com o propósito de ensinar e capacitar pessoas com mais de 50 anos, moradoras da região, a abrirem seus negócios no entorno e, dessa forma, contribuir para a revitalização local.

Todos apostam nos projetos de intervenção urbana para a região, como o “Nova Luz”, um estudo da Prefeitura de São Paulo que prevê a desapropriação de imóveis e implantação de praças, calçadões e ciclovias, com vistas a atrair moradores. Também a inauguração da unidade do SESC Bom Retiro, vizinha ao Liceu e prevista para 2011, injeta ânimo nas mobilizações e parcerias. Comparando-se a situação atual do Liceu com a do Instituto Nossa Senhora Auxiliadora, instituição da rede Salesiana localizada no bairro do Belenzinho, zona Leste da cidade – e tema do Perfil da Escola da edição de novembro passado, Michel observa que o INSA encontra-se “um passo à frente do Liceu”, justamente porque a revitalização daquela região já está em pleno andamento, com muitos empreendimentos recentemente concluídos e habitados. “A situação do INSA é melhor que a do Liceu, pois estão num momento bem legal, de retorno dos moradores”, avalia, por sua vez, o diretor Benedito Spinosa, de olho nos edifícios residenciais que estão sendo erguidos em ritmo intenso na região da Barra Funda.

‘Temos que pensar para frente’, diz novo ministro do Gabinete de Segurança Institucional – com relação a ditadura militar.

General José Elito Carvalho Siqueira assumiu o cargo nesta segunda (3).
Ministra de Direitos Humanos pediu que Congresso implemente comissão.

O general José Elito Carvalho Siqueira disse nesta segunda-feira (3), ao tomar posse como novo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que não se deve ficar “vendo situações do passado”, sobre a possibilidade de criação da Comissão da Verdade para investigar a violação de direitos humanos ocorrida durante o período da ditadura militar (1964-1985).

“Não há confronto nenhum, entre direitos humanos e Forças Armadas. Não podemos conduzir pra frente olhando para trás. Nós temos que conduzir para frente um país pujante, que é o nosso, com manancial de virtudes que ninguém tem. Temos é que pensar para frente, na melhoria do nosso país para as nossas gerações, e podemos estar perdendo tempo, espaço, velocidade se ficarmos sendo pontuais em situações isoladas do passado”, disse o novo ministro.


Na manhã desta segunda, a nova ministra da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Maria do Rosário, defendeu a criação da comissão com o argumento de que “é mais do que chegada a hora” do país prestar esclarecimentos. “Nós somos funcionários de Estado. O que o Estado determinar, cabe a nós, funcionários do Estado, cumprir. Vamos fazer com a maior das boas intenções, porque todos nós vamos agir em benefício da nação”, afirmou o general.

Ministro-chefe do GSI disse ainda que o dia 31 de março de 1964, deve ser tratado como fato histórico. “O que é o 31 de março de 1964? Golpe, movimento ‘a’ ou ‘b’, não. O movimento de 1964, hoje, já faz parte da história. Da mesma forma que um dia falamos do 11 de junho, da Batalha de Riachuelo, do 7 de setembro, proclamação da Independência do Brasil. Hoje, se nossos filhos e netos forem estudar em uma escola vai está lá o 31 de março como um fato histórico. Temos que ver o 31 de março como um dado histórico para a nação, seja com prós e contras, mas com um dado histórico. Da mesma forma os desaparecidos”, afirmou.

O general José Elito Siqueira também falou que não há, inicialmente, intenção de fazer mudanças no comando da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). “Somos funcionários do Estado então a tendência na Abin e em toda a GSI não é de mexer. Vamos, em princípio, manter as estruturas para termos continuidade no trabalho, mas claro, sempre haverá em uma área outra alguma substituição, que é natural”, disse.

“Os números de acessos em 2010 no meu blog”- avaliação da WordPress

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Mais fresco do que nunca.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um navio de carga médio pode transportar cerca de 4.500 contentores. Este blog foi visitado 22,000 vezes em 2010. Se cada visita fosse um contentor, o seu blog enchia cerca de 5 navios.

Em 2010, escreveu 45 novos artigos, aumentando o arquivo total do seu blog para 98 artigos. Fez upload de 48 imagens, ocupando um total de 7mb. Isso equivale a cerca de 4 imagens por mês.

O seu dia mais ativo do ano foi 25 de outubro com 166 visitas. O artigo mais popular desse dia foi O Pré-Sal é 100% brasileiro ?? E as concessões as empresas privadas como a Exxon no governo Lula?.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram orkut.com.br, google.com.br, pt-br.wordpress.com, search.conduit.com e twitter.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por franz boas, maquiavel, franklin roosevelt, leon trotsky e roosevelt

Atrações em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

O Pré-Sal é 100% brasileiro ?? E as concessões as empresas privadas como a Exxon no governo Lula? outubro, 2010

2

O NASCIMENTO DA ANTROPOLOGIA AMERICANA E O DIFUSIONISMO: “Franz Boas como protagonista.” junho, 2009

3

Dia da Abolição da Escravatura maio, 2009

4

O OBJETIVISMO ABSTRATO SEGUNDO MIKHAIL BAKHTIN: “Intransponibilidade com o subjetivismo idealista.” – Mas qual destas vertentes prevalece hoje? setembro, 2009

5

Leon Trótski ( 1879 – 1940 ) abril, 2009

Em razão deste informativo que recebo da WordPress, aproveito para agradecer a todas as pessoas que acessaram meu blog no ano de 2010, e reitero meu compromisso de manter minhas postagens sobre os mais variados temas da nossa atualidade. Desejo a todos meus seguidores um excelente 2011, construtivo, promissor e altamente iluminado.

abraço à todos

Moacir Pereira Alencar Junior